Fazer terapia é uma ofensa pra você?

Você precisa ir ao psicólogo!”.

Quantas vezes você escutou isso enquanto discutia com alguém? É como se o fato de discordar de alguém ou estar alterado pelo nervosismo fosse uma ofensa tão grande que a única forma de ofender de volta seria atestar uma possível insanidade mental. Mandar pra terapia se tornou o equivalente ao “vai tomar no c*”, só que sem cabimento algum.

Não vou bater novamente na tecla que fazer terapia é normal e recomendado, tenho outro texto sobre isso, mas a comparação com o xingamento acima se faz necessária, principalmente quando existem outras ofensas parecidas e que atrapalham outros procedimentos de cuidado da saúde, como as infames brincadeiras a respeito do exame do toque retal que intimidam milhares – senão milhões – de homens a se cuidar causando evasão dos consultórios e consecutivamente problemas bem mais sérios, já que muitos homens vêem no exame um ato muito parecido com esse xingamento.

Nos dois casos a ofensa surge por um suposto orgulho ferido: quem vai querer fazer um exame que vai ferir sua masculinidade ou fazer algo que ateste sua insanidade mental? Ninguém quer ser apontado como “maricas” ou como “louco” em lugar nenhum – mesmo que não tenha lógica alguma nesse raciocínio – por isso as pessoas evitam fazer ou assumir que fazem.

Além de serem usados como xingamento as duas situações são usadas pra fazer piada: quem nunca ouviu homens fazendo graça com o exame ou alguém fazendo piadas sobre alguém precisar ir ao psicólogo? Podem parecer brincadeiras inocentes, mas intimidam e geram preconceito em cima de cuidados com a própria saúde.

Já falei em outros textos sobre os males causados por doenças psíquicas, apesar de muitas pessoas consideraram elas como banalidades, assim como o câncer de próstata, são bem reais e problemáticos, mas enquanto o ato de se cuidar continuar sendo considerado ofensa ou piada muitas pessoas continuarão fugindo dos procedimentos. No caso do câncer de próstata existem inúmeras campanhas de conscientização e mesmo assim o preconceito persiste; no caso da psicoterapia é uma luta diária e constante dos profissionais pois tudo que é “psicológico” é considerado banal e sofrer com isso é sinal de fraqueza, nisso muitas pessoas que precisam de acompanhamento se sentem intimidadas a procurar.

Faça sua parte, não ofenda as pessoas mandando elas procurarem um psicólogo e quando alguém ofender você dessa forma, desconsidere e mostre esse texto. Se você acha que não precisa de terapia, tudo bem, talvez não precise mesmo, mas não use esse fato como ofensa. E se conhecer alguém que precise, não é por isso que está “enlouquecendo”.

Ajude a conscientizar, divulgue essa ideia.

Procura por atendimento psicológico? Clique aqui entre em contato e agende uma consulta.

Conheça meu trabalho fora da clínica e deixe sua opinião!

Para ler outros artigos clique aqui.

Siga minha página no Facebook para receber atualizações e novos artigos.